Minimo again

O desejo que nos aprisiona deve ser encarado de frente. Desejamos uma casa maior, um carro mais potente, um corpo mais sarado, receber um pouco mais de $$, gastar um pouco mais também. Sempre. Isso nos constitui pois somos seres inseridos numa sociedade de consumo. É preciso encarar de frente e adotar a tal da postura filosófica ( observar com um certo distanciamento aquilo que é comum e nos distanciar  daquilo o que todo mundo faz, caso não nos sirva).

Uma casa maior vai nos fazer mais feliz ou vai nos dar mais trabalho? Manter uma casa grande ( e um status tão grande quanto) custa tempo, e custa caro. Um dinheiro que precisará ser ganho de alguma forma e que não ficará com você. Um tempo que precisará ser empregado em administração do imóvel, em organização, limpeza, talvez funcionários que te trarão problemas maiores. Ok, se você está feliz assim, continue, mas veja, se você não está, se está investindo também em antidepressivos para poder continuar ( e põe gente assim por aí) então é hora de parar. É hora de focar no essencial antes da velhice e da fatídica pergunta, responsável pela deprê : em que desperdicei minha vida?

Um carro grande te dá status, mas te dá também  medo de assalto, gasto, contas e te leva a todos os lugares, assim como um carro pequeno, um ônibus, um trem, ou mesmo um inovador e dinâmico par de pernas rsrsr.


Um corpo sarado, uma coisa realmente complicada. Para mim, que sou mulher , extremamente delicado pois o corpo da mulher em uma sociedade tão machista é constantemente avaliado e aprovado ou reprovado. Um corpo sarado pode ilusoriamente significar saude ou alguem que se cuida e isso tem uma valoração subjetiva imensa e nos é constantemente cobrado. Mas veja, é mais do mesmo. Sou uma mulher bonita e te digo, você nunca atingirá totalmente o padrão. Se perguntarmos para a Gisele ( claro, respeitando as proporções da comparação)  se ela é aceita em todos os momentos saberemos que ela também é constantemente cobrada e vigiada. E ai? Qual postura adotaremos? Vamos correr atrás da tal aceitação ou vamos por o dedinho do meio em riste apertando a tecla F? Se pensarmos que correr atrás de algo que nunca virá é tão deprimente , cansativo e vazio ( Mito de Sísifo) e que temos uma vida só pra usufruir acho que a resposta está bastante clara , não?

Sobre o rosto feminino pairam tantas pressões. Meus 38 anos já me deixaram ver que sim você é julgada por não parecer ter 24 ( e aqui entre nós, deus me livre  ter 24 anos e tantas dúvidas de novo!!!).A resposta para isso veio com um musico que me ajudou a escrever minha monografia. Rostropovich. Franzia o celho ao tocar seu violoncelo e parecia tão enlevado ao tocar. Nosso corpo é um instrumento do ser, será que vamos, enfim,  ser ou vamos guardar o instrumento para que não tenha as marcas de uso? O que você quer da sua vida? Se dedicar profundamente a algo ou se resguardar para parecer algo? Acho que é óbvio ululante , não?

A minha postura critica levou algumas pessoas a dizerem que esse blog  tem uma certa tristeza no ar. Talvez. Desculpem-me caso seja verdade. Segue uma muúsica que de triste nada tem. Esse vídeo é o máximo. O ser humano pode ser o máximo.




Postar um comentário

Postagens mais visitadas